Artigos

5 dicas “de ouro” que te ajudam na reeducação alimentar

Uma real mudança nos hábitos alimentares promove maior disposição e ajuda nas metas com o corpo. Veja 5 dicas “de ouro” que te ajudam na reeducação alimentar

Muita gente pensa que uma reeducação alimentar tem relação apenas com a perda de peso. Ledo engano.

A reeducação alimentar promove uma melhor manutenção da saúde em vários aspectos, por meio de uma mudança de hábitos e comportamentos relacionados à alimentação.

Desta forma, não apenas contribui, claro, para uma redução de peso, mas também para o ganho de massa muscular, a cura de doenças e um fortalecimento do sistema imunológico, dentre outros.

Mas atenção: para que os resultados apareçam, é necessário contar sempre com o acompanhamento da(o) nutricionista. E para ajudar nesse processo, 5 dicas indispensáveis podem ser incrementadas nos seus hábitos:

Mastigue direito e com calma

A primeira dica de ouro é aprender a mastigar.

Parece uma bobagem falar sobre isso, mas por conta da correria diária, muita gente “engole” a comida sem mastigar adequadamente. Veja porque é uma “dica de ouro”.

A mastigação é a fase inicial do nosso processo digestivo. Ela tritura os alimentos, transformando-os em pedaços pequenos com os dentes, para que sejam misturados com a saliva e assim sejam facilmente digeridos no estômago com a ação do suco gástrico, uma solução rica em enzimas e ácido clorídrico.

A saliva, por sua vez, facilita esse processo, pois possui dentre os seus compostos (água [99,5%], nitrogênio, enxofre, potássio, sódio, cloro, cálcio, magnésio, ácido úrico e ácido cítrico), a ptialina, também conhecida como amilase salivar, e que inicia a digestão do amido (carboidrato que compõe a batata, o arroz e o trigo) ainda na boca.

O ato de mastigar bem e corretamente, portanto, ajuda na absorção dos nutrientes pelo sistema digestivo, e com isso, prolonga os efeitos da saciedade. Sem contar que, com uma melhor absorção de nutrientes, o cérebro induz a redução do tamanho do nosso prato.

Desta forma, o(a) paciente tende a comer menos no intervalo entre as refeições e a se alimentar com mais qualidade nas horas certas – sem comer até se acabar.

Frequência regular nas refeições

Esta também é uma dica importante.

Quantas vezes não passamos da hora de comer, por conta do trabalho e das urgências que surgem de repente?

Por conta de passar muito tempo sem se alimentar, a sensação de fome aumenta cada vez mais, e claro, o(a) paciente tende a descontar na refeição seguinte, comendo em excesso.

Por isso é importante manter a frequência regular das refeições.

Para quem tem dificuldade de se atentar aos horários certos, vale a pena colocar até mesmo um alarme no celular para avisar os momentos em que se pode comer uma lanche, uma barrinha de cereal, algo que possa saciar a fome e manter o corpo sempre nutrido.

Evite ir ao supermercado com fome

Quando a gente está com fome tudo parece mais gostoso. Imagine estar com fome, dentro do supermercado, diante de uma prateleira repleta de bolachas recheadas? Ou bolos de todos os sabores? Ou ainda, cheia de salgadinhos e batatas chips?

É certo que o seu carrinho ficará lotado em poucos minutos com alimentos pobres em vitaminas e nutrientes indispensáveis ao seu organismo – mas que à primeira vista são deliciosos! Sem contar que vai prejudicar o seu objetivo com a reeducação alimentar.

Há o risco ainda de um aumento das taxas de glicose, de colesterol, sem contar outras doenças que possam surgir com tempo em virtude de uma péssima alimentação.

Fique atento com o que você põe no carrinho e evite fazer compras com fome.

Distração durante a alimentação

A alimentação é um ato de prazer. Ela sacia a fome, proporciona a degustação de sabores maravilhosos, relaxa o corpo e a mente. É um momento seu! Quando se aproveita esse momento, o cérebro entende que o corpo está sendo correspondido em suas necessidades.

É neste momento, que recompomos todas as vitaminas que o corpo gasta durante o dia. É um momento para recuperar a calma, o fôlego e aproveitar o prazer que aquele prato nos dá. Portanto, não pode sofrer qualquer interferência externa.

Comer assistindo televisão, por exemplo. Ou ainda, de olho no celular, nas redes sociais. Em virtude da distração, não se aprecia os sabores, não se mastiga corretamente e sem estas percepções, o cérebro não consegue distinguir se o corpo está realmente saciado ou não.

Por isso, a sensação de fome muitas vezes é frequente. Evite distrações ao comer.

Substitua alimentos nos intervalos das refeições

Coxinha, brigadeiro, bolacha recheada, pastel, barra de chocolate, bombom, sorvete, salgadinho, docinhos, o que você adora comer no intervalo das refeições? Geralmente alimentos ricos em químicos e gorduras trans?

Esta também é uma dica de ouro, porque de nada adianta controlar-se na hora do almoço, se logo depois à tarde avançamos em um pastel, daqueles que chegam a pingar de tanto óleo. Pode parecer gostoso, mas faz mal à saúde – e o sabor está comprometido.

Em contrapartida, há tantos alimentos gostosos e que poderiam substituir estes que nos fazem mal! Pense em uma maçã suculenta, por exemplo, em vez daquele salgadinho, ou ainda, um caqui, uma uva ou barra de cereal, no lugar da bolacha recheada ou do chocolate.

Banana com canela e aveia; pedaços de coco; melão; saladas de frutas; pêssegos, sem contar barrinhas de cereal que hoje já oferecem vários sabores. Olha quantas opções sem contar as que a nutricionista vai te apresentar e que vai te deixar com água na boca.

Portanto, agende já a sua consulta! Promova a sua reeducação alimentar com a certeza de que vai dar certo. Essa é uma mudança da qual você jamais vai abrir mão.

Consulta nutricional presencialmente ou on line. Entre em contato nos telefones 11 2307-8992 ou (WhatsApp) 11 99228-8515. Vamos conversar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *